Muito prazer

Minha foto

Comecei a vida em Santos e cresci educada de acordo com as tradicionais regras que, muitas vezes, envolvem o machismo brasileiro. Mudei. Fiz faculdade fora. Ganhei liberdade, responsabilidade e identidade. Hoje, com 32 anos, estou casada com um homem fabuloso e espero nosso primeiro filho. Um sonho de gente grande, mas que espero desde criança: o da maternidade. O assunto sempre me fascinou e hoje, me pego com o corpo começando a deformar e sintomas nada agradáveis. Sabe o bom da história? Dou risada de tudo! Da azia, das ânsias intermináveis, da fome colossal e do tanto de cremes de estrias que hoje povoam meu banheiro. Isso é somente a primeira fase. Tenho certeza que, depois desta gravidez, continuarei rindo de mim mesma por inúmeros motivos, inclusive por me pegar em diversas situações que jamais imaginei passar.

sábado, 27 de novembro de 2010

6 meses de vida

Meio ano de vida! É tempo de comemoração e novidades na rotina do seu filho. A partir de agora, o seu bebê pode aproveitar também os passeios ao ar livre. Sem falar que um pouquinho de sol – desde que na intensidade recomendada pelos médicos – faz bem para a saúde.

Na hora de sair de casa, não abra mão dos cuidados que você adotou até aqui. Bonés e camisetas são obrigatórios para proteger a delicada pele da criança. Os melhores horários para se expor aos raios solares, como você bem sabe, são no início da manhã e no fim da tarde.

E o protetor solar? Agora, sim, ele está liberado para o seu filho.

Depois dos seis meses de idade, é fundamental passar protetor solar na criança. “Escolha um produto hipoalergênico, infantil e com fator de proteção maior ou igual a 20”, ensina a pediatra Andréa Makssoudian, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

Passe o produto a cada duas horas. "Fique atento se a criança está transpirando ou se permanece muito tempo na água. Nesses casos, repita a aplicação quantas vezes for necessário", recomenda. Na dúvida, é melhor pecar pelo excesso.

O produto deve ser espalhado em todas as áreas do corpo que estiverem expostas ao sol.

sábado, 20 de novembro de 2010

O que significa João?

Sempre quis que meu filho se chamasse João. Desde que eu era criança me lembro que falava que queria o nome do meu filho João. Mas...o que significa este nome?

João
Nome de Menino
Origem: hebraica
Significado: Deus tem compaixão, Deus é misericordioso
Curiosidades: É um dos nomes mais populares em todos os lugares e ao longo de todas as épocas, tendo aparecido em Portugal pela primeira vez em documentos datados do século IX. São João, apóstolo é sempre lembrado no dia 27 de dezembro e São João Batista no dia 24 de junho.

O número do destino é: 4

O número da personalidade é: 1

O número da alma é: 3

Destino: Identifica o propósito na vida (4)

O professor. Sem sombra de dúvida, essa é uma criança que vai seguir a rotina da casa muito rapidamente. Você pode acertar o relógio pelo seu chorinho - será hora de trocá-la e dar de mamar. Há nela um sentido de organização muito forte. Não gosta que mexam nas suas coisas ou nos seus brinquedos.

E não tente engambelar uma criança 4. Exigente, ela cobra que tudo seja feito da forma prometida. Cumpra o combinado ou se prepare para dar alguma explicação verdadeira. Fica magoada quando não respeitada e passa a não acreditar no que os pais dizem.

É amorosa, mas sente dificuldade em expressar os sentimentos, por isso vai tentar demonstrar o afeto com atitudes. Uma delas será compartilhar com os coleguinhas tudo aquilo que sabe – adora ensinar. Como valoriza a estabilidade, essa criança necessita de um lar seguro. Abrace-a mais vezes para que ela tenha certeza disso.

Personalidade: Descreve como ele se comporta e se expressa no mundo (1)

Saberá chamar a atenção de todos a sua volta na intenção de atingir seus objetivos e pode ficar irritado quando suas vontades não forem satisfeitas.

Com a maior naturalidade, domina e lidera a situação, mas é preciso ensinar-lhe a ser justo e que todos devem ter a sua vez.

Inteligente, aprende com facilidade e adora receber elogios – por isso, seja sincera. O reizinho mandão gosta de dar as ordens, mas não de recebê-las – principalmente se elas tiverem um tom rude.

A melhor maneira de fazer com que obedeça é valorizar a tarefa a ser realizada. Isso dará a ele a sensação de importância e autoridade. Disciplina contínua e amorosa é o segredo para ajudar seu bebê a se tornar uma pessoa feliz.

Alma: Revela os sentimentos, nem sempre percebidos pelas outras pessoas (3)

Parabéns, seu bebê ainda pequenino já tem a vibração de uma nobre energia: a do amigo verdadeiro.

Com o tempo, você verá que ele faz o que estiver a seu alcance para ajudar. Não gosta de ver ninguém triste, sem esperança, e usará de todo o seu otimismo para mudar a situação.

De fato, como é muito criativo e tem facilidade de se colocar no lugar do outro, será dessas crianças que ajudam o coleguinha na escola e fica radiante quando ele tira uma boa nota.

Mas acredite que também há muita timidez e insegurança em seu comportamento.

Se sente que não atendeu às próprias expectativas e a dos outros, pode se chatear. Não se preocupe demais, pois o mocinho é batalhador e vai buscar se superar.

Minha jóia

5 meses e meio


Em breve, os primeiros dentes do seu filho vão despontar e, logo mais, ele vai abrir aquele sorrisão. Os sinais de que isso está prestes a acontecer são fáceis de notar.

A gengiva coça muito e fica inchada, vermelha.

E o bebê, que não resiste a essa coceirinha, leva sempre à boca algum brinquedo para reduzir o desconforto. Se ele estiver fazendo isso com freqüência, você já sabe que tem dente à vista...

Será que dói? Depende.

Quando os pais costumam usar gaze ou dedeira para limpar a boca da criança logo após a mamada, além de prevenir as cáries, também estão preparando a gengiva para receber os dentes.

Então, se você adotou esse cuidado até aqui, pode relaxar. Mas atenção: o bebê talvez apresente um pouco de febre nesse momento.

Surgem os primeiros dentes: geralmente eles nascem por volta dos 6 meses.

“Mas não há motivo para preocupação se os dentes apontarem entre os 4 e os 8 meses, e até mesmo com 1 ano de idade”, explica a odontopediatra Tânia Lima Barbosa, de São Paulo.

Segundo ela, o mais importante não são os períodos em que surgem, e sim a seqüência em que aparecem: incisivos centrais, incisivos laterais, primeiro molar, caninos e segundos molares.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

A volta

Tenho muito o que escrever, confessar, contar....enfim. Desde que criei este blog muita coisa mudou na minha vida. E não foi só o nascimento do meu filho. Fui eu quem mudei. Engraçado que esta mudança veio aos poucos meio que de mansinho para não me assustar (acho). Estou mais madura (mas não menos alegre), mais cuidadosa (mas não menos moleca), muito mais zelosa e, principalmente mais feliz. Uma felicidade plena como se os problemas fosse minúsculos perto da maravilha de ver o sorrisso do meu filho. Chego a me emociar com o sorriso dele. As vezes bribco com ele para ele até gargalhar e eu choro. Choro de felicidade de saber que Deus me permitiu ser mãe, cuidar, tratar, dar carinho (e receber tb) a um ser inofensivo, indefeso e lindo. Toda criança é linda. A alma da criança é linda, pura e feliz. Por isso elas são especiais. E ter o privilégio de gerar uma vida e cuidar dela é demais de bom. A "nova" Neila tem várias funções novas: aprendeu a ser dona de casa, a pensar nas refeições, a estar ligada 24 horas por dia em tudo: no cachorro, no piscineiro, no caseiro, no jardineiro, nas compras, no que falta, no que tem demais....enfim, para quem acha que administrar uma casa é coisa simples, adianto: não é. Penei com isso. Pedi ajuda as amigas, a mãe, a sogra...como boa ariana peguei um pouco de cada que eu achei melhor e montei meu modo de administrar toda minha nova vida. Quando o João nasceu, não tive a mínima dimensão de quanto tudo mudaria e se eu daria conta de tudo. No começo surtei, óbvio. Mas hoje, 5 meses e meio depois, posso dizer que sou uma nova mulher (ahaha). Engraçado que antes do João eu lidava completamente diferente com as questões domésticas afinal, sempre morei sozinha e levei toda a rotina que aprendi e fiz por anos para meu lar com o Ricardo. Quando o João chegou a casa mudou, a vida mudou, as pessoas mudaram, os horários mudaram, a comida mudou, minha casa mudou. Estava tudo de cabeça para baixo e eu precisava arrumar aquela bagunça. Fui levantando as coisas e arrumando tudo aos poucos. Comecei pela babá. Preciso de uma babá para voltar a trabalhar com tranquilidade. Consegui uma moça muito bacana que está conosco até hoje e por mim deve ficar até uns 10 anos do JR. Depois da Marfia (a babá) minha vida foi se encaixando. Veio a completação da amamentação com mamadeira, o que me tirou um grande peso do dia-a-dia. Muitos falavam que o João não pegaria mais o peito por causa da mamadeira e tal. Saibam que até hoje o menino mama peito e mamadeira na boa. Comecei assumindo meu papel de dona-de-casa que vai a feira, sacolão, mercado, pet shop, pediatra, verifica o gás, sabe mexer na elétrica da casa, conversa com "n" perstadores de serviços. Foi tudo muito difícil, afinal, estava acostumada com minha vida independente, ativa e só minha. A casa e os afazeres domésticos estavam lá em 10º plano...No começo achei que ia pirar (eu sempre acho isso) mas hoje digo que já tiro de letra. Aprendi a me preocupar e resolver mil coisas ao mesmo tempo (mais coisas - muito mais - do que eu resolvia antes). Hoje me preparo para mais uma empreitada: a volta ao trabalho. Mas isso é assunto para um novo post...