Muito prazer

Minha foto

Comecei a vida em Santos e cresci educada de acordo com as tradicionais regras que, muitas vezes, envolvem o machismo brasileiro. Mudei. Fiz faculdade fora. Ganhei liberdade, responsabilidade e identidade. Hoje, com 32 anos, estou casada com um homem fabuloso e espero nosso primeiro filho. Um sonho de gente grande, mas que espero desde criança: o da maternidade. O assunto sempre me fascinou e hoje, me pego com o corpo começando a deformar e sintomas nada agradáveis. Sabe o bom da história? Dou risada de tudo! Da azia, das ânsias intermináveis, da fome colossal e do tanto de cremes de estrias que hoje povoam meu banheiro. Isso é somente a primeira fase. Tenho certeza que, depois desta gravidez, continuarei rindo de mim mesma por inúmeros motivos, inclusive por me pegar em diversas situações que jamais imaginei passar.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Durante a gestação, excesso de peso interfere até no sexo do bebê

Obesidade e diabetes acometem o feto se a mãe ingerir muitas calorias

É comum ouvir que mulheres grávidas precisam comer por dois durante a gestação. Puro mito. De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, e divulgada na publicação americana Proceedings of the National Academy of Sciences, uma dieta rica em calorias pode prejudicar a saúde do bebê, além de influenciar o sexo da criança.

O estudo foi realizado com 2000 grávidas. Metade delas recebeu uma alimentação com alto teor de gordura, carboidrato e soja. Enquanto as demais, mantiveram uma dieta equilibrada, sem excessos de calorias e nutrientes.

Os pesquisadores observaram que as gestantes que consumiram a dieta gorda, ocorreu a presença de variações genéticas nos fetos do sexo feminino, sugerindo que meninas podem ser mais suscetíveis do que meninos a mudanças genéticas desencadeadas pelos hábitos alimentares da mãe.

Outra descoberta importante está relacionada ao sexo dos bebês. Segundo os pesquisadores, o sexo da criança pode ser influenciado pela dieta da gestante.

Quem aposta em comidas altamente calóricas e café-da-manhã regular tende a aumentar as chances de dar à luz um bebê do sexo masculino, enquanto o menor consumo de energia aumenta a probabilidade de um do sexo feminino.

No que diz respeito ao desenvolvimento de doenças ligadas ao excesso de gordura, filhos e filhas apresentaram riscos diferentes de desenvolver obesidade e diabetes ao longo da vida.

Além disso, garotos com mães obesas estão mais propensos do que as garotas a se tornarem obesos e terem diabetes no futuro, embora não haja diferença evidente no peso ao nascer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário