Muito prazer

Minha foto

Comecei a vida em Santos e cresci educada de acordo com as tradicionais regras que, muitas vezes, envolvem o machismo brasileiro. Mudei. Fiz faculdade fora. Ganhei liberdade, responsabilidade e identidade. Hoje, com 32 anos, estou casada com um homem fabuloso e espero nosso primeiro filho. Um sonho de gente grande, mas que espero desde criança: o da maternidade. O assunto sempre me fascinou e hoje, me pego com o corpo começando a deformar e sintomas nada agradáveis. Sabe o bom da história? Dou risada de tudo! Da azia, das ânsias intermináveis, da fome colossal e do tanto de cremes de estrias que hoje povoam meu banheiro. Isso é somente a primeira fase. Tenho certeza que, depois desta gravidez, continuarei rindo de mim mesma por inúmeros motivos, inclusive por me pegar em diversas situações que jamais imaginei passar.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

20 perguntas sobre alimentação

1 - Posso dar peixe na primeira papinha?
Sim, mas somente para criança a partir dos seis meses. Se o bebê não tem essa idade, melhor aguardar. "Antes da introdução dos alimentos que podem causar reação alérgica é preciso avaliar antecedentes de alergia na família", diz Roseli Sarni, da SBP. Em geral, ela afirma, a aceitação ao peixe tem sido muito boa e sem relatos de reação alérgica.

2 - A reação alérgica ao peixe é comum?
Não. Cerca de 2,5% da população infantil pode desenvolver alergia ao leite, 1%, ao ovo e menos de 0,5%, ao peixe. "O peixe é uma ótima fonte proteica, com ferro que é bem absorvido pelo organismo", diz Mauro Toporovski, professor da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

3 - Quais peixes são os mais adequados?
Os macios e sem espinhas, como cação e porquinho. Podem também os que são fonte de ômega 3 (salmão), gordura poli-insaturada importante para o desenvolvimento do sistema nervoso central, da retina e na prevenção de doenças crônicas, como obesidade e hipertensão. "A presença dessa gordura também facilitaria ao organismo ter tolerância aos alimentos", explica Roseli Sarni.

4 - Dá para iniciar a papinha com ovo?
Sim. Já se pode incluir o ovo cozido inteiro (ou metade), bem amassado. É uma boa fonte de gordura e de colesterol bons se oferecido entre duas e três vezes na semana. Mais do que isso há excesso de colesterol. O ferro do ovo é pouco absorvido pelo organismo e não é fonte de zinco, portanto, ele não substitui as carnes.

5 - Pode colocar carne em pedaços?
Sim. Caso não seja possível desfiar ou amassar a carne, ela pode ser desmanchada no liquidificador. Quando o bebê conseguir mastigar, a carne é oferecida em pedacinhos. "O ferro da carne, vermelha ou branca, é quase três vezes mais absorvido pelo organismo do que o das leguminosas e hortaliças", diz Mauro Toporovski.

6 - Há diferença nutricional entre a papinha feita só com caldo de carne e a feita com pedaços?
Sim. A nutricionista Tânia Rodrigues, diretora da RG Nutri, de São Paulo, explica que em 30 gramas de carne há cinco gramas de proteínas. Uma papa sem carne não tem o nutriente essencial para o crescimento do bebê. "Cerca de 50% da formação celular das crianças dessa idade vêm da proteína", diz. As proteínas são essenciais para a multiplicação das células de ossos, pele, cabelo, unhas e órgãos.

7 - Quais carnes vermelhas são mais indicadas?
Músculo, além de patinho, coxão mole, alcatra e fraldinha.

8 - Famílias vegetarianas podem dar apenas papinha sem proteína animal?
Famílias que não comem nem carne branca nem ovo necessitam de acompanhamento nutricional com especialistas para evitar que a criança tenha deficiência de ferro. Segundo a SBP, a partir do sexto mês cerca de 70 a 80% de ferro e zinco que o bebê precisa devem vir de comidinhas saudáveis, e não do leite. O alimento mais eficaz para um aporte rápido desses minerais é a carne.

9 - O que é melhor: dar um ingrediente por vez ou misturar tudo?
A papa de transição deve ser misturada para o bebê se acostumar à consistência e à textura. Entre oito e nove meses, se inicia a separação dos alimentos.

10 - Pode usar sal?
Nunca. Os alimentos e o leite já contêm sódio que supre as necessidades diárias do bebê até um ano de idade. "Pode colocar essa resposta em letras bem grandes porque é muito difícil convencer mães, cozinheiras, babás e avós a evitar o sal na papinha, pois os brasileiros gostam de comida salgada", diz Mauro Toporovski.

11 - Quais temperos podem ser incluídos?
Salsa e cebolinha, cebola e um fiapo de alho.

12 - Pode colocar óleo?
Sim. Um fio de óleo vegetal, que não contém colesterol, quando a papa está pronta. "Em geral, quando se faz um refogado, a queima do óleo produz uma substância que é irritante para a mucosa gástrica (a parte interna do estômago) para os adultos e em particular para os bebês", explica a nutricionista Tânia Rodrigues.

13 - O que é proibido?
Temperos prontos, em tabletes ou pó. Atenção com espinafre, beterraba, rabanete, erva-doce. "Quando esses alimentos são reaquecidos, os nitratos presentes neles são convertidos em nitritos e nitrosaminas, substâncias carcinogênicas", diz Roseli Sarni.

14 - Quais são as sobremesas mais indicadas para os bebês? Por quê?
Os purês de frutas cozidas sem açúcar, como o purê de maçã. Também se pode oferecer salada ou sorvete de frutas sem açúcar e feitos em casa. "Se a mãe quiser variar a sobremesa, deve mudar a forma de preparo ou apresentação da fruta", diz Roseli Sarni.

15 - Por que dar apenas frutas de sobremesa?
Porque é a sobremesa ideal para atingir as porções necessárias para serem ingeridas num dia. Melhor ainda que sejam frutas ricas em vitamina C, como a laranja, para ajudar na absorção de ferro. Além disso, elas estimulam a mastigação e o bom funcionamento intestinal, pois também fornecem fibras. Roseli Sarni explica que nesse período o paladar infantil está sendo moldado e se a criança comer mais alimentos doces do que os de qualquer outro sabor pode criar um padrão e aceitar apenas comidinhas doces. Ou seja, quando a criança tiver de comer "os verdes" será um perrengue, porque o paladar dela prefere bolo, bala e bolacha recheada.

16 - Então, não pode dar bolacha recheada?
Nunca antes de a criança completar dois anos. Segundo Tânia Rodrigues, nutricionista da RG Nutri, dar alimentos saudáveis favorece o bom funcionamento do sistema gastrointestinal, a aceitação de sabores salgados, amargos e azedos. E esse tipo de bolacha costuma ser "recheado" de açúcar e gordura.

17 - Não é para dar nenhum tipo de bolacha?
Pode dar, sim. Os biscoitos simples, como os de água, que, quando liberados pelo pediatra, podem ser incluídos nos lanches da manhã ou da tarde com sucos de frutas. "Esse tipo de biscoito sem recheio e com sabor suave, assim como o pão francês amanhecido, ajudam no estímulo à mastigação", diz Tânia Rodrigues.

18 - Bebês podem comer gelatina artificial?
Não, porque são alimentos extremamente ricos em açúcar refinado, corantes ou conservantes e edulcorantes (mesmo a versão normal). "As gelatinas não são recomendadas em uma alimentação saudável", afirma Roseli Sarni.

19 - Pode-se oferecer água ou suco para o bebê matar a sede após a papinha?
"Nas fases iniciais de introdução da alimentação complementar, antes da plena aceitação, recomenda-se leite materno", explica Roseli Sarni. Quando o aleitamento materno exclusivo termina, o bebê que já se acostumou com a papa de legumes e carne pode beber água nos intervalos das refeições e nos dias mais quentes.

20 - Por que manter a oferta de leite materno após a papinha?
Segundo Sarni, além de ser um alimento completo, há estudos mostrando que o leite materno protegeria o bebê de reações alérgicas à comida nesse período de transição. "Mas isso é controverso, pois há documentos indicando que o leite materno não teria esse efeito protetor." A oferta do leite materno após a papa ocorrerá por um curto período de tempo, até o bebê se acostumar à refeição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário