Muito prazer

Minha foto

Comecei a vida em Santos e cresci educada de acordo com as tradicionais regras que, muitas vezes, envolvem o machismo brasileiro. Mudei. Fiz faculdade fora. Ganhei liberdade, responsabilidade e identidade. Hoje, com 32 anos, estou casada com um homem fabuloso e espero nosso primeiro filho. Um sonho de gente grande, mas que espero desde criança: o da maternidade. O assunto sempre me fascinou e hoje, me pego com o corpo começando a deformar e sintomas nada agradáveis. Sabe o bom da história? Dou risada de tudo! Da azia, das ânsias intermináveis, da fome colossal e do tanto de cremes de estrias que hoje povoam meu banheiro. Isso é somente a primeira fase. Tenho certeza que, depois desta gravidez, continuarei rindo de mim mesma por inúmeros motivos, inclusive por me pegar em diversas situações que jamais imaginei passar.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Como emagrecer após o parto?

Cada litro de leite que a mãe produz gasta, em média, 900 calorias

Depois dos nove meses mais longos da vida de uma mulher, enfim, o bebê nasceu e é perfeito. O que não está tão bonito assim é o corpo da mãe, que ainda apresenta as “gordurinhas” adquiridas no período de gestação. Mas não é preciso desespero. Ao seguir algumas dicas, logo o espelho volta a conhecê-la.

De acordo com a professora de Nutrição da Universidade Nove de Julho (UNINOVE), Thelma Fernandes Feltrin Rodrigues, não é recomendado que a mulher faça dietas com grandes restrições calóricas após o parto, para não prejudicar a oferta de nutrientes (a exemplo do cálcio e da vitamina D) ao bebê. Por essa razão, a montagem do cardápio deve ter a supervisão de um nutricionista.

Como a preocupação é, sobretudo, com a criança, seguir a orientação dos médicos favorece mãe e filho. “O ato de amamentar auxilia na redução de peso pós-parto, uma vez que, para produzir o leite humano, a mulher tem um gasto energético elevado: a cada litro são 900 calorias. Além do mais, os processos de produção e de liberação do leite estimulam as contrações uterinas, auxiliando o retorno ao tamanho original do órgão”, explica a professora.

Não se descuidar da alimentação faz toda a diferença. Diariamente ela deve ser equilibrada e variada, composta por frutas, verduras e legumes, além dos cereais (arroz, milho e trigo), das leguminosas (feijão, ervilha e soja), das carnes (de peixe, de frango e bovina) e dos laticínios. “É importante que as refeições sejam bem distribuídas ao longo do dia, fracionadas em seis vezes, para que não haja grandes períodos sem alimentação”, incentiva a nutricionista.

Ingerir bastante líquido e deixar de consumir alimentos com alta densidade calórica e baixa oferta de nutrientes – como doces, lanches vendidos em fast food, frituras, biscoitos recheados e refrigerantes – são atitudes importantes para prevenir o aumento de peso. “É fundamental lembrar que o consumo de bebidas alcoólicas durante a amamentação deve ser evitado”, alerta Thelma.

Praticar uma atividade física também pode ser interessante. Para quem sempre se exercitou – inclusive, durante a gestação –, basta esperar uma semana antes de voltar ao ritmo anterior. Já as pessoas sedentárias precisam esperar o restabelecimento do parto. O retorno pode ser feito, em média, após 20 dias. “Para a redução de peso, a atividade mais recomendada é a aeróbica, como caminhar, andar de bicicleta, correr ou nadar. Porém, o alongamento, a ioga e o relaxamento também são importantes para o período do puerpério”, explica a coordenadora do curso de Fisioterapia da UNINOVE, Profa. Fernanda Varkala.

Quem quiser pode fazer, inclusive, alguma atividade junto com o bebê. “Esses exercícios serão benéficos tanto para a parte física da mãe quanto para o seu estado emocional, uma vez que possibilitará o estreitamento dos laços com o seu filho”, salienta a fisioterapeuta. Portanto, para ficar em forma, alimente-se corretamente, amamente e faça exercícios físicos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário