Muito prazer

Minha foto

Comecei a vida em Santos e cresci educada de acordo com as tradicionais regras que, muitas vezes, envolvem o machismo brasileiro. Mudei. Fiz faculdade fora. Ganhei liberdade, responsabilidade e identidade. Hoje, com 32 anos, estou casada com um homem fabuloso e espero nosso primeiro filho. Um sonho de gente grande, mas que espero desde criança: o da maternidade. O assunto sempre me fascinou e hoje, me pego com o corpo começando a deformar e sintomas nada agradáveis. Sabe o bom da história? Dou risada de tudo! Da azia, das ânsias intermináveis, da fome colossal e do tanto de cremes de estrias que hoje povoam meu banheiro. Isso é somente a primeira fase. Tenho certeza que, depois desta gravidez, continuarei rindo de mim mesma por inúmeros motivos, inclusive por me pegar em diversas situações que jamais imaginei passar.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

A mais cara!!

Matéria publicada no Jornal Folha de São Paulo desta quinta, 25 de fevereiro

Escola bilíngue para bebês custa até R$ 5.388 por mês
Primetime Child Development, que usa método de Harvard, é a mais cara de SP, diz pesquisa

Uma escola que não gosta de ser chamada de escola, que não tem sala de aula e que acredita que crianças de zero a três anos estão no ponto máximo de desenvolvimento intelectual. No Primetime Child Development, que se autodenomina um "learning center" -algo como centro de aprendizagem-, os bebês devem aprender a cada segundo, seja na hora do banho ou da alimentação.
Segundo levantamento do recém-publicado "Guia Escolas 2010", feito com 185 escolas, o Primetime, que fica na zona oeste, cobra a maior mensalidade da cidade de São Paulo -que tem 3.730 colégios, de acordo com os dados mais recentes, de 2006.
Criado há três anos, bilíngue e com apenas 36 alunos, o Primetime chega a custar R$ 5.388 mensais para um período de 11 horas diárias.
A mensalidade depende da carga horária e começa em R$ 2.996, para quatro horas diárias. O valor inclui alimentação e o material usado -que, em sua maior parte, do creme dental aos livros e brinquedos do playground, é importado.
A ideia, afirma o diretor Eduardo Bruder, é oferecer o que há de melhor para as crianças. Caso o melhor for fabricado no exterior, o Primetime traz para o Brasil.

Arquitetura
Ganhador de prêmios nacionais e internacionais de arquitetura, o prédio foi projetado por Marcio Kogan para se adaptar totalmente às necessidades dos bebês.
Não tem degraus, só rampas; os pisos internos são aquecidos, e os externos, emborrachados; o lactário tem sistema especial de circulação de ar para melhor higienização das mamadeiras; as janelas ficam na altura da visão das crianças.
O diretor ressalta, no entanto, que, mais importantes que a estrutura, são a formação da equipe e a metodologia. "O prédio está a serviço de um conceito", afirma Bruder.
O método de ensino se baseia no Projeto Zero da Universidade Harvard (EUA), que tem como missão entender e melhorar o aprendizado, o pensamento e a criatividade. Princípios da neurociência são aplicados a todas as atividades, das brincadeiras à troca de fraldas.
As turmas têm no máximo três crianças para que "o potencial de cada uma delas seja desenvolvido ao máximo" -frase que é quase um mantra, repetido pela direção e por pais de alunos.
As educadoras -não ouse chamá-las de tias- têm ensino superior e passam por um curso de um mês para se familiarizar com a metodologia.

A menor
No outro extremo do levantamento do "Guia Escolas", a Escola Técnica Sequencial, na zona sul, tem a menor a mensalidade -a partir de R$ 160.
Ela oferece cursos técnicos para quem se formou no ensino médio e aulas de supletivo para aqueles que ainda precisam terminá-lo.

É preciso focar no afeto, diz pedagoga

Um exagero. É assim que a psicopedagoga Maria Beatriz Loureiro de Oliveira, professora da Unesp de Araraquara e da Unifran (Universidade de Franca), define a preocupação com a proteção e também com o desenvolvimento intelectual das crianças, ambos cada vez mais comuns em instituições como o Primetime.
Ela acha que a estimulação precoce realizada pelas escolas é importante, mas pode ocorrer até os seis ou sete anos de idade -e não só até os três. Leia trechos da entrevista:

FOLHA - O quanto toda essa preocupação é importante?
MARIA BEATRIZ LOUREIRO DE OLIVEIRA - Você tem alguns prós e muitos contras. Eu penso muito na questão do afeto e essas escolas estão pensando muito no desenvolvimento intelectual. Isso pode prejudicar a relação afetiva das crianças com a própria família e com as outras pessoas.

FOLHA - Como o desenvolvimento afetivo ocorre?
MARIA BEATRIZ - [Ocorre] Quando a criança lida com diversidade, estimulada por relações com pessoas ou com o ambiente. O estímulo precoce é interessante, mas o mundo real exige contato com a diversidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário